... de Pernambuco, do Brasil e do Mundo! Descubra e compartilhe sua natureza.
  1. Mídias
  2. Escorpião fluorescente

Escorpião fluorescente

Publicado por Aléssio F.

no dia 16/03/2022

2475 visualizações

3 comentários

Escorpião fluorescente

Escala do sujeito : não informado

Descrição

Os escorpiões são animais fantásticos. Eles brilham no escuro! Esta foto, sem filtros e sem truques, é uma prova disso. Todas as espécies de escorpiões fluorescem no espectro visível quando iluminadas com uma fonte de luz ultravioleta. Este fenômeno acontece por causa da presença de moléculas específicas [1] encontradas em uma camada muito fina na parte mais externa do exoesqueleto do escorpião, conhecida como exocutícula hialina. Esta camada é rica em mucopolissacarídeos e lipoproteínas. Os escorpiões exibem fluorescência apenas quando suas cutículas estão endurecidas. É por isso que indivíduos muito jovens e adultos que passaram por ecdise   recente não apresentam a fluorescência.

Por que os escorpiões são fluorescentes? Um grupo de pesquisadores da Universidade Estadual da California sugere que a fluorescência serve para os escorpiões detectarem luz ultravioleta em níveis muito baixos [2], como a luz da lua, por exemplo. É possível que a luz ultravioleta de fontes naturais pode servir de estimulo para evitar determinados comportamentos. Como animais de hábitos noturnos, os escorpiões diminuem suas atividades em noites de lua cheia, provavelmente uma adaptação contra predadores.

Esta característica fabulosa dos escorpiões foi observada pela primeira vez em 1954 e, desde então, fontes de luz ultravioleta vem sendo utilizadas como ferramenta para detectar estes animais em seus habitats naturais, facilitando enormemente os estudo da ecologia e biologia dos escorpiões.

Escorpião da espécie Tityus brazilae iluminada com uma lanterna UV em Serra dos Cavalos, município de Caruaru, Pernambuco.

Marcadores do autor

Observações

[1Frost, L.M., D.R. Butler, B. O’Dell & V. Fet. 2001. A coumarin as a fluorescent compound in scorpion cuticle. Pp. 365–368. In Scorpions 2001: In Memoriam, Gary A. Polis. (V. Fet & P.A. Selden, eds.). British Arachnological Society, Burnham Beeches, Buckinghamshire, UK.

[2Kloock, C. T., Kubli, A., & Reynolds, R. (2010). Ultraviolet light detection: a function of scorpion fluorescence. Journal of Arachnology, 441-445.

Seus comentários

  • no dia 16 de março de 2022 as 16:37, por Moa

    Muito legal Felipão!

  • no dia 2 de janeiro as 21:25, por Getúlio Freitas

    O fato de refletir em luz visível aos olhos humanos quando iluminados com luz UV não deve estar relacionado a essa «suposição científica». Captar UV seria uma coisa, e talvez até com essa função específica de alertar sobre um período não propício à atividade para esses animais, mas refletir dessa forma (luz visível sob UV) parece algo não relacionado e estocástico.

  • no dia 4 de janeiro as 11:29, por Aléssio F.

    Concordo com você que esta resplandecência toda que vemos nos escorpiões iluminados por uma fonte de luz UV é artificial e que provavelmente não veríamos naturalmente. Entretanto, é possível que a capacidade de detectar a luz UV em níveis baixos tenha uma função evolutiva nos escorpiões e que não seja apenas uma característica ocasional.

Comentar

Quem é você?

Pour afficher votre trombine avec votre message, enregistrez-la d’abord sur gravatar.com (gratuit et indolore) et n’oubliez pas d’indiquer votre adresse e-mail ici.

Inclua aqui o seu comentário

Este campo aceita os atalhos SPIP {{negrito}} {itálico} -*liste [texte->url] <quote> <code> e o código html <q> <del> <ins>. Para criar parágrafos, deixe simplesmente linhas vazias.

Apoie o Portal